Archive for the 'information agents' Category

era da informação? arquitetos de informação!

Monday, February 11th, 2008

um bom número das pessoas que fala comigo sobre a web se refere a seu conteúdo como "sites", e muitos querem ter um "sítio" lá. e isso inclui empresas, a maioria das quais começa a construir um "site" sem saber que ele é, na verdade, a ponta visível e usável, pelos seus clientes e/ou usuários, de um grande, dinâmico e submerso iceberg de informação. não por acaso, a vasta maioria dos "sites" naufraga qual titanics perdidos numa tormenta de má formação, o que leva a nenhuma utilização.

boa parte do problema está situado na falta de processo para chegar num "site", o que, se fosse o caso, incluiria um grande número de especialistas em usuários, conteúdo, contexto, informação, métodos, processos, engenharia e… arquitetura da informação. abaixo, vindo de um encarte do instituto para arquitetura da informação na fortune de 21/01, um resumo do que seriam as competências dos arquitetos de informação:

On a strategic level, information architects need to understand and address both a company’s business model and the needs of its customers… On a tactical level, that means creating the right metadata—information about the information—to help search engines return more accurate results. It also means creating a site thesaurus, so when users type in one word, all the synonyms they could have meant are also considered. Ultimately, it means developing new and novel categorization systems—like collaborative filtration, where customers buying a product can see related products other customers bought…

se não me falha a memória, só dá pra aprender isso, no brasil, na prática. mesmo sistemas de informação, que é o que a grande maioria dos formados em computação faz, na prática, ao sair da faculdade, só se aprende, no brasil, na prática. na escola, os cursos são, quase todos, de "ciência da computação", de pura e simples "programação" ou, no pior caso, de informação "sobre" alguma coisa computacional. alguma coisa, aliás, precisa ser feita sobre isso. as companhias serão, todas e cada vez mais, "sites". ou seja, sistemas de informação. e, muitas vezes, pra um design bonito e colorido na nossa frente, o que rola por trás dos panos é mais ou menos parecido com o cartoon abaixo…

pra ler: the engineer [reconditioned]

Saturday, January 5th, 2008

…terran science spaceship schrödinger’s box, deep down in space, sights, intercepts and recovers an spherical escape pod. inside it, in stasis… an engineer. of the kind capable of redefining the orbit of stars.

ficção científica do primeiro time, da pena de neal asher [outra entrevista com o autor aqui]. o texto é antigo, escrito dez anos atrás [sf que vale a pena ler não fica velho com o tempo]. pense numa coisa que vale a pena ler… [o livro se chama "the engineer reconditioned"].

Technorati :
Del.icio.us :

[2/1/08]: citix.net entra no ar

Wednesday, January 2nd, 2008

HOJE [os últimos ajustes do beta estão sendo realizados], o c.e.s.a.r e parceiros lançam CITIX.NET [city information exchange network]. cadastre-se. do alfa site que já está no ar [inicialmente o beta vai ser só pra recife...]:

Cidades são fluxos de informação e de redes de encontros. São lugares de múltiplos eventos simultâneos. Compartilhar informação sobre a estrutura e o ritmo da vida, na sua cidade ou bairro, é morar, de fato, na região.

Citix é um ambiente de troca de informação sobre cidades. Citix é uma rede social de localização e compartilhamento de informação sobre eventos, lugares, instituições, segurança e serviços públicos. Todo mundo pode ver tudo. Só quem tiver um login pode reportar um lugar, evento ou ocorrência. Citix começa em Recife. Depois, o Brasil e o mundo.

Bem vindo. Citix é seu. Cadastre-se. Citix está em modo beta. Guardaremos seu cadastro e, à medida em que tivermos capacidade, mandaremos um e-mail para avisar que você já pode começar a usar Citix para -por exemplo- marcar o local de uma comemoração com os amigos. E descobrir o que anda rolando no lugar nos últimos tempos. E tomar suas providências pra chegar e sair de lá de bem com a vida.

o foco do citix será a prevenção da criminalidade, estruturada ao redor do que há, do que se procura e como se vive nas cidades. uma rede de parceiros está associada ao projeto, a começar pelo ministério público federal. a partir de recife, CITIX se espalhará pelas cidades onde consigamos firmar acordos de desenvolvimento e operação da iniciativa, incluindo os patrocínios e recursos para financiar seu funcionamento. andre.araujo@cesar.org.br, gerente de negócios do projeto, está à procura de [arcerios e à disposição de quem já estiver interessado.

ninguém cuida de tudo… por nada

Sunday, November 18th, 2007

Umas poucas companhias vão fornecer toda a infra-estrutura, informação, software e serviços que você precisa. Será mais um mercado a ser regulado?… este é o tema de meu artigo desta semana no G1. vá ver.

liberdade e privacidade: chegando ao fim?

Monday, November 12th, 2007

um longo artigo na economist considera os efeitos de estarmos vivendo, de fato, não na sociedade da informação, mas na da observação, onde todos vasculham a vida de todos os outros e os [mais variados pedaços dos] governos estão de olho, ainda por cima, uns nos outros. segundo a revista… These days, data about people’s whereabouts, purchases, behaviour and personal lives are gathered, stored and shared on a scale that no dictator of the old school ever thought possible. Most of the time, there is nothing obviously malign about this. Governments say they need to gather data to ward off terrorism or protect public health; corporations say they do it to deliver goods and services more efficiently. But the ubiquity of electronic data-gathering and processing—and above all, its acceptance by the public—is still astonishing, even compared with a decade ago. Nor is it confined to one region or political system.

pense em tal contexto e reflita sobre as declarações de Donald Kerr, um dos principais responsáveis pela espionagem americana, dadas neste fim de semana ao guardian: Privacy no longer can mean anonymity… Instead, it should mean that government and businesses properly safeguard people’s private communications and financial information. uau…

a reportagem do guardian continua… Millions of people in this country – particularly young people – already have surrendered anonymity to social networking sites such as MySpace and Facebook, and to Internet commerce. These sites reveal to the public, government and corporations what was once closely guarded information, like personal statistics and credit card numbers, dando uma grande levantada de bola para kerr anunciar seu juízo final: “Those two generations younger than we are have a very different idea of what is essential privacy, what they would wish to protect about their lives and affairs. And so, it’s not for us to inflict one size fits all. Protecting anonymity isn’t a fight that can be won. Anyone that’s typed in their name on Google understands that.”

pois vez por outra em teclo meu nome em google [e yahoo, e liveSearch] só pra saber o que há por aí sobre mim que eu nem imagino. ao contrário do que mr. kerr pensa, minha vida pessoal ainda não vazou pra internet e nem eu espero que isso aconteça tão cedo. este blog, por exemplo, pode ser considerado muito pessoal, um apanhado das minhas opiniões sobre os mais variados temas, mas não há nada aqui que eu já não andasse dizendo em aulas, reuniões e telefonemas e, por sinal, na velha mídia, em tvs, rádios e jornais. a diferença é que agora eu não posso dizer que não disse, pois vai estar registrado para sempre em algum lugar da internet, mesmo que eu desmonte este site. e esta é -por acaso- a idéia deste blog mesmo.

o que dá, por sua vez, uma boa idéia do cuidado que os mais novos devem ter na web: seus antigos cadernos de adolescência e rabiscos no mural do colégio agora estão publicados para sempre em algum blog ou comunidade. com um detalhe radical: estudos científicos [relatados no guardian] mostram que os "amigos" virtuais em uma rede social não passam de conhecidos [e podem nos levar a revelar MUITO mais do que iríamos querer, no futuro]… o que pode fazer muita gente nova e esperta a entrar, por inexperiência, nas maiores roubadas do século 21. o que, por certo, já está acontecendo agora…

começa o internet governance forum

Monday, November 12th, 2007

está começando no rio a edição brasileira do IGF, forum das nações unidas para discussões sobre governança da internet. o problema do forum está mesmo no "discussões", pois muitos pensam que, sem nenhum poder formal sobre o que quer que seja na rede, apesar das bênçãos da ONU, a coisa não passa de um convescote, ou "talking shop".

do meu ponto de vista, aqui no fim do mundo [onde a rede faz a curva] não dá nem pra saber se vai ser mesmo mais uma reunião de bravatas e slogans ou não. isso porque quase não consegui ver [192kbps era o mínimo pra vídeo] e tampouco ouvir [a 32kbps...]. pena mesmo. governance, claro, não tem nada a ver com qualidade de rede na periferia, coisa que deveria ser do domínio dos órgãos reguladores locais. estes, por sua vez, estão preocupados com outras coisas, como o número de orelhões por habitante e a cobrança de taxas e impostos sobre cada chip de celular que entra no mercado, algo que ajuda muito pouco a universalização de acesso no brasil.

agora é esperar pra ver o que a mesa de abertura [na qual 16 pessoas teriam a palavra!...] definiu como o tom do encontro. tomara que não sejam só bravatas para consumo dos ignaros e glória de políticos de terceira categoria do continente. detalhe: nenhum representante do governo dos EUA, que manda mesmo na coisa [e paga as contas da ONU] estava na mesa de abertura. pra começar, é um mau sinal…

scroogled?…

Wednesday, October 31st, 2007

cory doctorow não é só a pessoa por trás de boingboing, mas um dos mais interessantes escritores [em inglês] da nova geração. no texto que você poderá ler ao clicar na figura, ele considera as múltiplas possibilidades de um mundo onde alguém, ou alguma corporação, saiba mais sobre qualquer um de nós do que é absolutamente necessário saber. e que isso acabe [por exemplo] no seguinte diálogo entre um representante do "sistema" e um "reles mortal":

"Sir, calm down, please. No, I’m not looking at your searches," the man said in a mocking whine. "That would be unconstitutional. We see only the ads that show up when you read your mail and do your searching. I have a brochure explaining it. I’ll give it to you when we’re through here."

"But the ads don’t mean anything," Greg sputtered. "I get ads for Ann Coulter ring tones whenever I get e-mail from my friend in Coulter, Iowa!"

The man nodded. "I understand, sir. And that’s just why I’m here talking to you. Why do you suppose model rocket ads show up so frequently?"

it is the sort of world that might be chasing us quite soon indeed. beware.

busque e compartilhe software: deligio

Thursday, May 31st, 2007

google ainda não acabou [e nem vai] com a capacidade inovadora de quem está vendo nichos, ou áreas inteiras, de descoberta de informação não atendidas por ele e pelos outros grandes. deligio, especializado em software, tenta dar o passo da hora: aliar descoberta de conhecimento a redes sociais, como mecanismo não só de compartilhamento de informação mas como processo de refinamento da qualidade dos resultados. pode muito bem ser que a próxima geração de sistemas de busca venha exatamente desta composição… é esperar [ou melhor, investir] pra ver.

vacas usam brincos; você vai usar tags?

Wednesday, May 23rd, 2007

o aeroporto de debrecen, na hungria, será o primeiro lugar no mundo a tratar seus usuários com a melhor tecnologia atualmente disponível para segui-los onde estiverem, com precisão de um metro: identificadores de rádio freqüência [RFID] com raio de ação de dez a vinte metros, associados a uma rede de sensores e câmeras que vão poder seguir os passageiros aonde eles estiverem [e, eventualmente, mandar buscar no banheiro perto do portão cinco alguém cujo vôo está pra sair...]. será que este pequeno teste no interior da hungria pode vir a ser o começo de um big brother bem mais radical do que a gente está acostumado a pensar? que tal, por exemplo, tags sub-cutâneas para estudantes, para ver se eles estão mesmo nas salas de aula? e para os empregados, para ver se eles estão em seus postos? como e onde você, se estivesse responsável por alguma segurança, iria usar tags nas pessoas? eu já sou contra crachás… não consigo me ver andando por um lugar usando um RFID… e ainda menos engolindo um.

monopólios… do bem?

Monday, April 23rd, 2007

meu artigo desta semana, no G1, é sobre google estar começando a se tornar um monopólio em busca e anúncios. a chamada é…

Google tem dinheiro, velocidade e corre riscos. A muitos, parece estar criando o que pode vir a ser o verdadeiro monopólio de “organização” de informação na web. Será que os competidores vão esperar sentados?

o mais interessante é que um número surpreendente de comentaristas está “de bem” com a idéia de que, se google virar um monopólio [e olha que eu nem falei de conteúdo], seria “legal”. isso nega toda a história dos monopólios, principalmente dos que têm ações na bolsa e cujos donos querem ver value for money. ainda bem que muita gente, lá nos comentários, não nasceu ontem.

[update: veja aqui uma comparação bem recente entre yahoo e google {primeiro trimeste 2007 de YHOO = menos da metade de GOOG}... e porque é possível que a batalha esteja perdida, pelo menos para terry semel, atual CEO de yahoo.]

google 1 X yahoo 1. microsoft 0.

Saturday, April 14th, 2007

google comprou doubleclick, de dois fundos privados, por US$3.1B em dinheiro vivo, tirando a microsoft do jogo [parece que redmond queria pagar US$2.xB]. google pagou o dobro da conta de YouTube. a doubleclick faturou US$300M ano passado e havia sido comprada, em 2005, por US$1.1B. o alvo não era só redmond e mas também yahoo: google não tinha [até ontem] uma rede de servidores de banners [sim, banners], a prática do negócio e seus clientes.

agora tem. o que vai fazer com isso é outra história. pode haver conflito entre seus modelos de negócio para anúncios. google pode querer tirar as agências de publicidade do jogo de uma vez por todas, e pode haver confusão entre os acionistas… pois eric schmidt prometeu, em março, que iria usar os recursos da companhia de forma “responsável” [desde quando pagar 10x é responsável, neste caso?]. o fato é que agora google pode competir com yahoo na mesma plataforma de anúncios. e a microsoft fica ainda mais distante.

mas a corrida ainda não acabou. façam suas apostas… apostem também quando google vai ser processado, por monopólio, em alguma destas coisas, como anúncios na web, onde está eliminando toda a competição.

busca: mais uma fronteira e seus problemas

Friday, April 13th, 2007

um start-up chamado electric sheep company acaba de lançar um engenho de busca que descobre objetos em second life, monta um index e, quando perguntado, mostra uma lista de tudo o que encontrou para um determinado termo [de busca]. se fosse no mundo real, era como ter um big brother olhando a “vida pública” de tudo e todos e possibilitando descobertas hoje impensadas. como… onde ficou meu porta cartões de visita? [perdi o meu ontem, num evento]. veja aqui o resultado da busca por pink floyd. e note que só é possível ter acesso aos objetos apontados pela busca se você tiver second life instalado; afinal de contas, os objetos estão lá. até aí, tudo bem.

o que ninguém esperava é o tamanho do barraco que isso está criando. enquanto as pessoas aparentemente querem que seu mundo, na web [www, http://...], seja encontrado e indexado por buscadores, a electric sheep está sendo acusada de invasão de privacidade. o título do post de prokofy neva sobre o assunto é… The Electric Sheep’s HUGE BIG EVIL DATA SCRAPE. parece, pelo visto, que a projeção da identidade real nos mundos virtuais é cada vez mais séria e as pessoas estão se “dualizando”. de repente, a identidade será a composição da vida daqui com a de lá. será?…