Archive for January, 2007

o [verdadeiro] espetáculo do crescimento

Monday, January 29th, 2007

ninguém consegue prever, hoje, se o PACote federal vai ou não fazer o brasil crescer de forma menos anêmica do que vem ocorrendo nos últimos muitos anos. mas o gráfico ao lado [do cert.br, centro de resposta a incidentes do .br] mostra que a inflação de incidentes na rede brasileira chegou a espetaculares 190% entre 2005 e 2006. isso depois de cair cerca de 10% entre 2004 e 2005, o que levava a pensar que o caos estava diminuindo por aqui.

quase 3/4 dos ataques vem de fora do país, com os EUA seguidos pela china, rússia, frança e coréia. de um total de quase 200 mil incidentes reportados, houve apenas 500 invasões, o que é muito pouco e dá uma idéia de aumento do nível médio de segurança dos servidores da rede brasileira. o número mais preocupante são as mais de 40 mil fraudes reportadas, a maioria das quais relacionadas a [tentativas de] roubo de dinheiro [de verdade] dos usuários brasileiros, universo que cresceu 18% de dezembro de 2005 pra cá, chegando a 14.4 milhões.

será que os números do certi derrubam o propalado mito de que os hackers brasileiros são os mais ativos do mundo? os ataques originados no .br são apenas 1/4 do problema. preferimos agir lá fora [ou aqui dentro, a partir de servidores que seqüestramos lá fora] ou somos menos do que imaginamos?…

celulares, muitos; SMS, CARO; governança, baixa

Friday, January 26th, 2007

o mundo fechou 2006 com cerca de 2.5 bilhões de telefones celulares. a china lidera com meio bilhão de telemóveis, por aí, e o brasil é o quinto, com quase 100 milhões [não estamos muito mal: 2.8% da população do planeta e 4% dos celulares]. a perspectiva para 2007 é de mais 12.5 milhões de novas assinaturas móveis no país, perto de 10% do total, o que tornaria o mercado nacional de novos aparelhos (e não de novas contas), um mercado primariamente de reposição. especialistas situam o mercado de reposição em quase 50% da base instalada [faça as contas: serão vendidos mais de 60 milhões de celulares no brasil em 2006].

mas poderia ser mais e o uso poderia ser muito maior, só que algumas coisas são muito caras por aqui. pegue os dados da consultoria TELECO para os preços de SMS no brasil, mostrados comparativamente ao resto do mundo na imagem abaixo. para cada sms mandado por nós, um dos súditos de hugo chávez manda cinco e um chinês envia quinze. o título do gráfico não exprime a verdade dos números; melhor seria “brasil tem um dos maiores preços de sms do mundo”. há algo fundamentalmente errado com os preços de muitas coisas no brasil. com um dos menores salários mínimos do mundo e uma classe média espremida entre o mercado de trabalho escasso e a fúria arrecadatória do governo, pagamos preços muito, muito acima do que nosso poder de compra permitiria de forma sã. há casos em que automóveis fabricados aqui são vendidos, nos EUA, pela metade do preço do brasil. e a diferença está toda em impostos… como se fôssemos, por outro lado, um paraíso de serviços.

será que as teles têm pouca competição? dizem que não. será que algumas coisas [como sms] estão cartelizadas? tomara que não. mas não custa nada a anatel, que poderá ser revigorada pela possível chegada do ministro ronaldo sardenberg na casa, se preocupar com esta [e muitas outras] dissonâncias da infra-estrutura brasileira de informação. antes que seja muito tarde, por sinal. ou por falta dele…

informatizando tudo. tudo mesmo.

Friday, January 26th, 2007

a última, digamos assim, novidade no japão é um assento de privada informatizado que toca MP3 a partir de cartões de memória SD. a coisa é auto-limpante [usa nanotecnologia pra isso], tem um emissor de fragrância para tentar cancelar as emissões dos usuários e um sensor de presença para se auto iluminar e mostrar o alvo quando o usuário estiver chegando perto. o pior é que não é nem novidade: desde 2005 que há mais de um fabricante fazendo isso por lá; o japão é um mercado muito inovador em se tratando [também] de privadas… a inovação deste modelo é o sensor de prensença, pra talvez tirar um pouco mais de nossa segurança, pois nem no banheiro, usando uma coisa destas, vamos achar que estamos controlando alguma coisa. danado é que alguém é capaz de estar propondo alguma trilha sonora específica para fazer [cada tipo de] cocô. e, um dia, vai haver um personal dj só pra acompanhar o seu [certamente não o meu!] mais -literalmente- privado momento. era só o que faltava.

o fabricante do último modelo, toto, inova desde a década de oitenta, quando introduziu o assento [chamado washlet] que, depois do ato, lavava e secava suas partes íntimas [com água e ar quente]. pra comprar o modelito da hora, sua carteira ficará apenas dois mil reais mais leve. pouco, pra quem leva seu tempo no assento sanitário a sério. cuidado, porém, com os efeitos colaterais.

um parasita… programando você

Tuesday, January 23rd, 2007

e talvez programando sua cultura. como? você tem um gato. seu gato tem toxoplasmose, Toxoplasma Gondii, o parasita da foto ao lado, que ocorre naturalmente em gatos e não parece afetá-los. os toxoplasma são eliminados nas fezes dos gatos e por aí entram em contato com ratos. e ratos contaminados por toxoplasma têm uma atração fatal por… gatos! que acabam por devorá-los e fechar o ciclo de evolução da coisa, pois o gato é o micro-ambiente onde o parasita se reproduz de forma sexuada.

mas não é só: 25% da população nos EUA [30% na inglaterra e 80% na frança!] tem o parasita em seus cérebros e parece haver uma alta correlação entre os níveis de neurose humana nos países e as taxas de contaminação pelo toxoplasma. como assim? os homens infectados têm menores níveis de inteligência e são mais avessos a novidades. mulheres infectadas têm maior nível de inteligência e são mais calorosas. em ambos os sexos, a infecção parece produzir mais insegurança e sentimento de culpa… além de tornar as pessoas mais lentas e duas vezes mais sujeitas a acidentes de trânsito.

a literatura científica sobre o assunto está se expandindo rapidamente e começa a ficar bem visível a discussão sobre a hipótese do título deste texto: sim, um parasita pode estar programando você (e eu) e contribuindo (à sua maneira peculiar) para o aumento da diversidade cultural do universo à medida em que manipula a ecologia imediatamente ao seu redor. o que não é novidade em outros departamentos: veja neste link como formigas são manipuladas de maneira radical por seus parasitas, que agem diretamente em seus cérebros.

o proponente desta “teoria da programação” das pessoas por parasitas, kevin lafferty, publicou recentemente um outro texto mostrando que os parasitas dominam, de fato, as cadeias alimentares, mais do que qualquer outro tipo de coisa viva, incluindo os predadores, sempre vistos como os “reis da natureza”. não mais. ainda mais porque o trabalho de parasitas como o toxoplasma é muito mais inteligente e sutil do que uma reles picada ou mordida.

danado é ficar pensando, aqui, qual parte de nosso comportamento é “realmente nosso” e o que é induzido por coisas como o toxoplasma e outros que ainda não descobrimos. mas talvez tenha que ser assim mesmo. cada um de nós é uma micro-ecologia, que quase certamente leva em conta nas suas ações toda a complexidade e participações de tudo o que está dentro e perto dela. mas que dá uma agonia pensar que é assim, isso dá.

internet = google?…

Saturday, January 20th, 2007

olá, todos… voltei de férias pra ver que robert cringely acaba de escrever um excelente artigo sobre “o que podem estar sendo os planos de google e sua implementação“, que acaba em “Google will become our phone company, our cable company, our stereo system and our digital video recorder. Soon we won’t be able to live without Google, which will have marginalized the ISPs and assumed most of the market capitalization of all the service providers it has undermined — about $1 trillion in all — which places today’s $500 Google share price about eight times too low.” ou seja, se ele estiver certo, google será a minha, a sua, a internet.

vale a pena ir lá ver. e, se você acreditar, comprar ações do google até onde seu dinheiro der, porque se for mesmo verdade, o preço de hoje está OITO vezes abaixo do que pode vir a ser em, digamos, dez anos. pouca coisa vai valorizar tanto, entre as ações de primeira linha.

no meio do besteirol escrito por muita gente nesta época [por falta absoluta de assunto], aí incluídas as saudações ao iPhone, um brinquedinho que custará pelo menos US$2.000 dólares [só no primeiro ano!] aos muito poucos [1% dos usuários de telemóveis?] que o terão nas mãos, a leitura de cringely e suas análises muito bem pensadas é um refrescante presente de ano novo… que, pra nós, começou muito bem: estávamos em alguns lugares do paraíso aí abaixo [toquinho, pernambuco]. inté.